A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) confirmou ontem segunda-feira (02), a morte de um bebê de 7 meses por sarampo em Taquaritinga do Norte. Essa é a primeira morte provocada pela doença em Pernambuco este ano. A criança morreu no último dia 17 de agosto. 

A Secretaria informou que ao todo foram notificados 395 casos suspeitos de sarampo em Pernambuco. Desse total, 86 já foram descartados, 296 estão em investigação e 13 foram confirmados após análise laboratorial realizada pela Fiocruz RJ. Dos casos confirmados, 3 são moradores do Recife, 3 de Caruaru, 1 de Frei Miguelinho, 1 de Santa Cruz do Capibaribe e 5 de Taquaritinga do Norte. 

Em nota a SES afirmou que o Estado está abastecido da vacina tríplice viral, que, além do sarampo, protege contra rubéola e caxumba e é uma das maneiras mais eficazes de evitar o adoecimento. Desde janeiro, já foram distribuídas mais de 574 mil doses do imunizante para os municípios, sendo 153 mil de doses extras entre julho e agosto.  

CASO SUSPEITO PARA SARAMPO:

Todo paciente que apresentar febre e exantema maculopapular morbiliforme de direção cefalocaudal (manchas avermelhadas que começam na cabeça e vão descendo para o restante do corpo), acompanhados de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite, independentemente da idade e situação vacinal; ou todo indivíduo suspeito com história de viagem para locais com circulação do vírus do sarampo, nos últimos 30 dias, ou de contato, no mesmo período, com alguém que viajou para local com circulação viral no Brasil ou no mundo. A notificação de caso suspeito de sarampo é obrigatória. Apresentando essa sintomatologia, é importante ir ao posto de saúde mais próximo para receber a devida assistência.

IMUNIZAÇÃO: 

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba e está disponível de rotina nas salas de vacina dos municípios. A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) ressalta a importância de finalizar o esquema vacinal para evitar casos da doença. A imunização com a tríplice deve seguir o seguinte esquema:

–  Crianças entre 6 meses e 11 meses devem tomar uma dose da tríplice viral. Importante ressaltar que essas crianças precisarão seguir o esquema normal de imunização a partir dos 12 meses.   

– Indivíduos de 1 ano a 29 anos de idade: 2 doses de tríplice viral;

– Indivíduos de 30 a 49 anos de idade não vacinados: 1 dose de tríplice viral;

– Profissionais de saúde não vacinados: 2 doses com a vacina tríplice viral independente da idade, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas. Fonte: Espiaqui.com.br)

%d blogueiros gostam disto: