Quando ainda morava em Bezerros, Ciel realizou um show que serviu como termômetro para decidir se investiria ou não na carreira musical. “Aluguei o único clube da cidade e lotou. O dono do Manhattan Café Theatro, que fica no Recife, estava presente e me chamou para trabalhar lá”, recorda. O período na casa de shows da Zona Sul durou sete anos, ao mesmo tempo em que ele tinha aulas no Conservatório de Música. Em 2017, realizou o primeiro espetáculo do projeto Enraizado, no Espaço O Poste. A demanda para a gravação do álbum veio do próprio público naquela noite.
Disponível nas plataformas digitais, o disco é composto pelas canções autorais do show, duas delas feitas em parceria com Maurício César, que assina a direção musical. “Desde o começo, eu disse que queria apostar na cultura popular. Colocar coco, fechar os olhos e me sentir em uma roda. Colocar afoxé, ouvir e me sentir em um terreiro. A música que abre o disco se chama Licença, pois todos os brincantes da cultura popular pedem licença quando começam uma apresentação”.

O trabalho visual, com direção de Jota Gomes e fotos de Diego Cruz, traz o artista em uma estética que negocia o renascentismo com o Sertão, como uma nobreza sertaneja. Na capa, Ciel divide espaço com seus pais, irmãos e sobrinho. É, de fato, uma exaltação às raízes, menos no que diz às tradições conservadoras do interior. Continue lendo no Diário de Pernambuco

Arte, cultura popular e liberdade. Esses são os motes do espetáculo “Enraizado”, do cantor, ator, bailarino e compositor Ciel Santos, natural da zona rural de Bezerros, num vilarejo chamado Sacapurana, no Agreste Pernambucano. 

A noite do sábado (11) celebra o lançamento do seu primeiro disco, na Caixa Cultural do Recife. O álbum, gravado de forma independente, traz no repertório canções compostas para o espetáculo de mesmo nome, apresentado em agosto de 2017. Os ingressos custam a partir de R$ 15 e estão à venda na bilheteria da Caixa Cultural.

Dividido em dois atos com canções e textos autorais, Ciel traz a liberdade de ser e fazer o que quiser em todo o discurso do disco, e sempre ressaltando de onde veio. “‘Enraizado’ fala sobre as minhas raízes, dizendo que a árvore que eu sou hoje em dia tem muito a ver com o que eu aprendi quando era uma semente”, enfatiza Ciel. 

Continue lendo na Folha de Pernambuco

Share


Fonte: Bezerros Hoje

Sua opinião é muito importante para nós! Faça seu comentário: