[ad_1]

13652583_1746215852292967_751763520_nJoão Carlos Batista Santos, 26 anos, é o nosso 54º entrevistado da série de entrevistas que levamos ao ar todo o sábado (certo que atrasamos esta edição, vindo a publicá-la já na manhã deste domingo) Sanitarista pelo programa de residência multiprofissional em saúde coletiva-  UPE e pela escola de saúde publica de PE, Graduado em Nutrição pela UFPE- CAV, mestrando do programa de pos- graduação em saúde coletiva da UFPE. É secretário de organização do PC do B, em Bezerros, e nas últimas eleições municipais apoiou a candidatura de prefeito de Carlinhos. João Carlos é um defensor assíduo do SUS e pauta assuntos referentes à política nacional e questões sobre saúde pública em seu perfil no Facebook, sempre com apontamentos críticos e enfatizando as questões relevantes para o bem estar social. Por ter um perfil combativo e defender uma bandeira importantíssima, como a do SUS, recentemente foi ventilada a possibilidade de uma pré-candidatura de João Carlos ao Legislativo Municipal para o pleito de 2016

BEZERROS HOJE – O PC do B tem uma tradição de trazer e fazer de muitos jovens em bezerros interessantes quadros políticos, como: Mariana, Dailson Mutuca, Mikhail Gorbachiov, Dáfni Priscila, Marconi Andrade. Conte-nos um pouco de sua trajetória até ingressar nas hostes do partido e do porque ter escolhido o PC do B? E apontes as possíveis dificuldades do porque de muitos destes nomes não estarem na linha de frente do partido, já que dos nomes que citamos apenas Mikhail já foi candidato?

JOÃO CARLOS – Gostaria de iniciar minha participação saudando a comunidade de Bezerros e agradecendo a lembrança do Portal Bezerros Hoje. O PCdoB me iniciou na política aos 18 anos de idade, foi onde percebi pela primeira vez que era possível construir coletivamente um projeto solidário de sociedade. Simultaneamente, iniciei minha graduação em Nutrição na UFPE e o meu espírito de militante me impulsionou no sentido do movimento estudantil, durante 2 anos fui presidente do Diretório Acadêmico de Nutrição na UFPE-CAV. Minha inserção na área da saúde e meu gosto pela política me conduziram para a saúde coletiva (pública) que é uma área de conhecimento que sou apaixonado, já concluí a residência e agora estou no mestrado na UFPE, sou um soldado da luta pelo fortalecimento do SUS. Em relação a composição atual do partido, acredito que a vida nos apresentam caminhos que nos levam a despedidas e reencontros, a “linha de frente” do partido hoje, que é a direção, conta com membros de quase duas décadas como os camaradas Berval e Raimundo, membros de mais de uma década como Cris e Orlando (ambos do Sinpro) e membros de quase uma década de luta como eu, Mikhail, Wagner e Dafni. O fato de ser candidato ou não para nós não é relevante, o importante é levantar as bandeiras da boa politica, e há mais de 20 anos nós fazemos isso.

BEZERROS HOJE – O PC do B sempre se posicionou de forma aguerrida nos palanques em que esteve presente nas eleições de Bezerros, e nos últimos 8 anos demonstrou um crescimento importante na cidade. Como você avalia esse protagonismo?

JOÃO CARLOS –Acredito que o PcdoB fez a opção correta, a opção pela boa política, construímos um capital político. Sou filiado há 7 anos e fui um ator desse processo. Realizamos o debate  no ambiente da micropolítica, nos sindicatos, nas associações de moradores, com as lideranças comunitárias, com os trabalhadores, com os estudantes, nos distritos, na periferia do município, construímos um projeto de sociedade. Fizemos a opção pela política sem compras de voto, sem clientelismo, optamos pelo debate, pelo argumento, pela luta. Talvez essa postura tenha sido responsável pelo fato de não termos tido  acesso aos mandatos, dado o nosso sistema político que demanda uma estrutura de poder econômico para acessa-lo. De toda forma, acreditamos que a política vai muito além dos mandatos. Hoje ocupamos posição de protagonismo pelo que falamos, pelas bandeiras que defendemos, muito mais do que pelos cargos que ocupamos.

BEZERROS HOJE – Na sua rede social seus apontamentos na defesa quanto à saúde pública e em específico ao SUS são bastante contundentes. Sendo Sanitarista, Como você avalia a Saúde de um modo geral e em particular a de Bezerros?

JOÃO CARLOS –Acredito que é preciso a mudança do olhar para a saúde Bezerros. Há mais de duas décadas a discussão da saúde de Bezerros se resume a Maternidade e ao Hospital Jesus Pequenino, nosso sistema de saúde é muito mais que isso. Precisamos melhorar a qualidade e o acesso da nossa Atenção Básica, temos Unidades de Saúde da Família sobrecarregadas com uma população adscrita bem maior do que sua capacidade definida pela Politica Nacional de Atenção Básica, precisamos discutir a educação permanente e as condições de trabalho dos profissionais da Atenção Básica. Bezerros tem uma demanda reprimida enorme das especialidades, de procedimentos e exames (o que chamamos de média complexidade), é preciso articular regionalmente como é possível resolver tais problemas. A nossa rede de assistência materna e infantil precisa sair do papel, não  só em Bezerros, mas no Estado de Pernambuco, não podemos mais aceitar a submissão das nossas mulheres à peregrinação que significa parir hoje em dia, nascer é um direito básico do ser humano. Saúde é muito mais do que Hospital e posto de saúde, precisamos discutir saneamento, condições de trabalho e moradia, geração de emprego e renda, precisamos discutir o preconceito contra mulher, contra a comunidade LGBT, contra o negro, isso é discutir saúde de maneira ampla e plural, sinto falta deste debate em Bezerros. Enfim, escreveria paginas aqui em relação ao campo da saúde coletiva, além de ser um técnico, sou um apaixonado pela saúde.

BEZERROS HOJE – O PC do B é oposição ao governo Branquinho e hoje apoia a pré candidatura de Dr. Lindório (PSDC), juntamente com PT e PSOL. Como você avalia a conjuntura municipal no campo de oposição? Há possibilidades da oposição sair unida? O PC do B teria nomes para pleitear uma vice? 

JOÃO CARLOS –A análise da conjuntura hoje nos mostra uma indefinição para o pleito de 2016. Apesar de Branquinho e seus aliados aparecerem como nomes de relevância, pesquisas preliminares apontam para o desgaste do governo e um grande percentual de bezerrenses indecisos, acredito que quem convence de verdade deixa pouca margem à indecisão. A correlação de forças da oposição hoje aponta para a construção com Lindório (perdoe a ausência do Dr.) pela ausência de desgaste do seu nome. O ideal seria que a oposição saísse unida e minha opinião é que essa possibilidade é viável, estamos utilizando nosso poder de articulação para isso, entretanto reconhecemos a dificuldade de atingir esta unidade, pelo fato de alguns interesses pessoais e não coletivos, se colocarem como agentes no processo de coalisão das forças de oposição. De toda forma a campanha para majoritária não é prioridade hoje para o PCdoB, a renovação da câmara é muito mais importante para nós.

BEZERROS HOJE – Qual sua avaliação do Governo Branquinho?

JOÃO CARLOS –Temos de ter maturidade para falar de politica, e essa maturidade exige que nos reconheçamos os avanços de Bezerros com Severino Otávio, apesar de fazermos oposição. Entretanto, nem de longe esses avanços representam o projeto de sociedade que o PCdoB vem defendendo nas suas duas décadas de existência em Bezerros, Branquinho deixou muito a desejar, principalmente depois de uma processo eleitoral que o elegeu com uma base de sustentação enorme. Em 2012 defendemos junto de Carlinhos e Glacia Oliveira, que eram nossos candidatos a majoritária, um projeto político que pautava a agricultura familiar, a valorização do trabalhador do campo, a geração de emprego e renda a partir da exploração dos nossos potenciais produtivos da gastronomia e do turismo, defendemos um projeto de saneamento para Bezerros, com a proposta da criação de uma usina de reciclagem de lixo, da ampliação da rede de agua e esgoto, entre inúmeras outras propostas, ao passo que Branquinho apresentou um projeto fundamentalmente erguido na proposta da criação de uma “mine-suape”(que não saiu do discurso), no apoio do governador do Estado e de meia dúzia de caciques da politica de Bezerros. Apesar disso, continuamos acreditando na politica construída no diálogo com as bases sociais, na política da proposta, na política enquanto área de disputa de interesses coletivos. Em 2016 veremos Branquinho pedindo voto para Bete e Dael e vice-versa, isso é a representação da desmoralização na política em Bezerros. Em resumo, a analise que faço é que Branquinho não entregou o que prometeu.

BEZERROS HOJE – Como você enxerga a atuação da Câmara Municipal de hoje no Município?

JOÃO CARLOS –Não tenho muito o que falar da câmara de vereadores de Bezerros, a realidade é lastimável e aparente para população, é vergonhoso a situação da nossa câmara, não existe o mínimo de credibilidade nas decisões  e negociações que são realizadas. Nas ultimas semanas um vídeo da transmissão de uma reunião dos vereadores viralizou nas redes sociais e mostrou a realidade sofrível do nosso legislativo. No vídeo, nossa casa legislativa parece muito mais uma feira livre do que um espaço institucional de representação do povo. Além destas questões, o prefeito branquinho governa sem oposição na câmara, isso não é salutar para o processo democrático, Bezerros está a mercê da vontade política de um grupo.

BEZERROS HOJE – Você foi apontado como possível pré- candidato a vereador pelo PC do B. A informação procede? Como é para você ter seu nome ventilado para participar do processo eleitoral?

JOÃO CARLOS –Eu represento um projeto, assim como todos os filiados do PCdoB, se houver o consenso no partido que reúno as condições necessárias para participar do pleito, não fugirei a luta. Não devemos negar a política, acredito que é possível construir uma sociedade socialmente mais justa do que a que nos vivemos hoje e isso passa pela disputa dos espaços institucionais de discussão, negociação e disputa, sou um soldado dessa luta com ou sem mandato. Encaro a ventilação do meu nome com a tranquilidade de quem dedicou quase um terço de sua pouca idade a militância, antes de qualquer coisa sou um militante e um entusiasta da boa política.

BEZERROS HOJE – Considerações finais…

JOÃO CARLOS – Gostaria de parabenizar o Portal Bezerros Hoje pela iniciativa, é preciso discutir a política, não conseguiremos avançar enquanto sociedade sem esse tipo de diálogo. Gostaria de registrar aqui minha consideração por todos que contribuíram para a minha formação enquanto cidadão e “ser politico”, todos os camaradas do PcdoB e àqueles que não integram mais as fileiras do partido, como Marconi Andrade e Carlinhos. Finalizo com um trecho de uma música de um compositor pernambucano, o grande mestre Capiba, que tem grande representação para nós que defendemos as bandeiras progressistas: “Nós somos madeira de Lei que cupim não rói”.

Enviado por:Redator

[ad_2]

Fonte: Bezerros Hoje / Clique aqui e veja essa e outras notícias.

%d blogueiros gostam disto: