Sem Governo, a matança incontida

A morte ronda o mundo. No Brasil, já são 1.223 vidas ceifadas pelo coronavírus, o mal do século, que a Medicina ainda não está sendo capaz de deter, apesar de tantos avanços. Mas em meio a tantos velórios e enterros, outra chaga social tem matado mais do que o Covid-19: a violência urbana descontrolada. Em Pernambuco, o vírus da morte já arrastou 85 almas para a eternidade, com 950 casos.

Um número assustador, é verdade. Mas a bandidagem continua dizimando mais vidas do que o vírus em Pernambuco, um dos Estados líderes em homicídios no País. Só na última sexta-feira, foram 11 assassinatos, cinco no Interior e seis na Região Metropolitana. Em três meses e dez dias, foram 1.042 vidas encerradas pelo terror da violência, com arma de fogo ou arma branca. Isso num Estado de emergência, de guerra contra uma enfermidade em que a população se esconde em casa.

Imagine se o pernambucano estivesse levando a vida normal, com bares e inferninhos funcionando? As estatísticas certamente seriam muito mais dolorosas. Falta uma política de Estado para o combate ao extermínio de tanta gente. Concebido pelo então governador Eduardo Campos (PSB), o Pacto pela Vida virou letra morta, é apenas uma lembrança sem referências nos dias atuais.

O que tem levado Pernambuco, mais uma vez, a retroceder na batalha contra a criminalidade? Falta Governo. O Estado está sendo administrado por um governador fraco, sem pulso, sem tesão para o que faz. Quando fala, sua boca treme de insegurança. Não passa firmeza em absolutamente nada no que faz. Agamenon Magalhães dizia que ninguém governa governador. Era uma analogia aos governantes implacáveis, temíveis, que impunham respeito, sabiam a honrar e exercer o poder soberano dado pelo povo nas urnas.

Em tempos de coronavírus, assistimos a desmoralização do Estado. Decretos baixados por um chefe débil que ninguém respeita. O mais notável: a proibição de reuniões com grupos acima de cinco ou dez pessoas. Sábado passado, em Santa Cruz do Capibaribe, uma multidão foi filmada numa praça pública a espera do peixe da Páscoa, que segundo o prefeito Edson Vieira (PSDB), não foi obra da sua gestão, mas iniciativa de um empresário local.

Ora, quem manda no município? Ele ou o empresário que não citou nome na nota enviado ao blog depois de feita a denúncia? O próprio prefeito do Recife, Geraldo Júlio, aliado de primeira grandeza do governador, já desrespeitou também o decreto estadual distribuindo cestas básicas nas escolas em filas quilométricas, numa ação coordenada pelo secretário municipal de Educação, Bernardo D’Almeida.

Se um governador não tem autoridade para que um decreto baixado por ele seja cumprido e respeitado, imagina que a ele falte mais do que autoridade para conter a violência urbana. Falta governar! O que ele não tem feito. Tem deixado fazer por ele. Quanto a quem governa em seu lugar, o povo pernambucano está caduco de saber.

A grande tragédia – O caso mais exposto e explicito da onda de violência desenfreada no Estado mexeu com a nata da sociedade pernambucana: o assassinato do defensor público e advogado paraibano Levi Borges, 72 anos, tombado sem vida em frente a um condomínio de luxo na praia do Paiva com por dois tiros, quinta-feira passada. O que chama atenção no crime são três fatores: o local (condomínio de nobres, cujo acesso é pedagiado), a falta de policiamento na área e o silêncio da Polícia. O que de fato motivou a tragédia? A Polícia prendeu o suposto autor dos disparos que, em depoimento, confessou que matou para roubar o carro da vítima. Pelas circunstâncias, ninguém até agora de bom senso engoliu essa versão.

Continue lendo a Coluna do Blog do Magno Martins aqui…

Powered by WPeMatico

%d blogueiros gostam disto: