Que tal aprender os benefícios de 10 dicas de atividades lúdicas que ajudam a “d…

Que tal aprender os benefícios de 10 dicas de atividades lúdicas que ajudam a “d…


Que tal aprender os benefícios de 10 dicas de atividades lúdicas que ajudam a “desacelerar” a criança com TDAH e ainda apoiam seu desenvolvimento?

1. Jogo de memória
O jogo da memória é excelente por estimular habilidades como o pensamento, a memorização, a identificação de figuras; o estabelecimento do conceito de igual e diferente; a orientação espacial, entre outros.

2. Pintura e argila
Brincadeiras com pintura e argila proporcionam às crianças com TDAH a oportunidade de se expressarem por outros meios que não sejam necessariamente a comunicação verbal.

3. Montando blocos
Os brinquedos de montar ajudam as crianças a criarem uma estrutura única em um tempo curto, o que pode ajudá-la a adquirir confiança.

4. Prática de esporte
Crianças com TDAH devem praticar esporte. Elas gastam muita energia e aprendem a obedecer regras; a seguir orientações, etc.

5. Incentivando a leitura das crianças
Nada melhor que praticar a leitura com seus filhos. Isso ajuda seu pequeno a permanecer mais concentrado por muito mais tempo.

6. Livros para colorir
Esses livros são excelentes para desacelerar a impulsividade, além de ser uma ótima terapia e sem contraindicações.

7. Montando quebra-cabeça
Essa atividade estimula o pensamento lógico, a composição e decomposição de figuras, discriminação visual, atenção e a concentração.

8. Adivinhação
A adivinhação é responsável por estimular uma série de aspectos: pensamento lógico, o reconhecimento do todo por uma parte, a dedução, a atenção, a observação, a nomeação e a discriminação visual.

9. Morto-vivo
Brincar de morto-vivo é fundamental para estimular a concentração e o controle da impulsividade do pequeno.

10. Estátua
Assim como a atividade acima, a brincadeira de estátua também é ótima para a atenção e o controle do impulso.

Via: Neurosaber


6 a 18 meses: 
As atividades, nessa fase, devem incentivar o bebê a se concentra…

6 a 18 meses: As atividades, nessa fase, devem incentivar o bebê a se concentra…


6 a 18 meses:
As atividades, nessa fase, devem incentivar o bebê a se concentrar, desenvolver sua memória e praticar o autocontrole básico. Vale brincar de cadê/achou, esconder algo sob um pano ou pedir que ele arrume os brinquedos igual a você. Os maiores adoram imitar os pais em tarefas do dia a dia, como varrer o chão. O importante é sempre estar atento aos interesses do seu filho e deixar que ele determine a duração da brincadeira.

18 a 36 meses:
A criança está desenvolvendo muitas habilidades físicas e de linguagem, sendo necessário desafiá-la nesse sentido. Peça que ela separe objetos por tamanho, forma e cor; converse sobre os sentimentos dela e estimule brincadeiras ao ar livre, como jogar bola e correr até uma linha de chegada imaginária.

3 a 5 anos:
Enquanto os menores estão assimilando regras e estruturas, os mais velhos ganham independência. Atividades que envolvem imaginação, como brincar de médico, ou equilíbrio, como dançar e congelar quando a música pausa, são úteis nessa transição. Essa pode ser uma boa hora para introduzir seu filho na cozinha – se ainda não começou!

5 a 7 anos:
As crianças começam a gostar de brincadeiras desafiadoras, que estimulem sua capacidade de planejamento, flexibilidade e concentração. Não à toa, essa é a classificação inicial para a maioria dos jogos de tabuleiro. Quebra-cabeças, caça-palavras e charadas são uma boa pedida, mas as agitadas, como brincar de dança das cadeiras ou queimada, também fazem sucesso. Divirtam-se!

Via Revista Crescer 🌷


“Por que as vozes são diferentes?” Alexandre Enoki cita que  a voz é uma caracte…

“Por que as vozes são diferentes?” Alexandre Enoki cita que a voz é uma caracte…


“Por que as vozes são diferentes?” Alexandre Enoki cita que a voz é uma característica tão exclusiva, que até gêmeos idênticos possuem vozes diferentes. Inúmeros fatores determinam essa variação, entre eles o comprimento e espessura das pregas vocais e as diferenças anatômicas da garganta. As pregas vocais das mulheres crescem menos que as dos homens, daí a frequência da voz feminina ser mais aguda, por exemplo. Além das pregas vocais, alterações hormonais, principalmente na adolescência, também influenciam no tipo de voz. A voz que você chegar à vida adulta será, provavelmente, a que te acompanhará por boa parte da vida. No entanto, com o envelhecimento, ela tende a mudar, porque, depois de uma vida toda de conversa, as pregas vocais e o tecido que a reveste começam a enfraquecer e as membranas ficam mais finas e secas.


A chupeta pode prejudicar a fala?

Falar com a chupeta na boca faz com que se cr…

A chupeta pode prejudicar a fala? Falar com a chupeta na boca faz com que se cr…


A chupeta pode prejudicar a fala?

Falar com a chupeta na boca faz com que se crie o hábito de falar sem movimentar a ponta da língua. As principais alterações de fala decorrentes do uso de chupeta são as distorções na emissão dos sons L e R que precisam ser emitidos com elevação da ponta da língua. Como resultado podemos ter uma fala “embolada” e parecida com a de crianças com língua presa. Quando a criança começar a falar as primeiras palavras, acostume-a a tirar a chupeta da boca para falar. Esta é uma orientação simples e muito benéfica.
Via Dra Camila Di Ninno


Você tem a “língua presa”? A língua presa compromete bastante a comunicação. Ao …

Você tem a “língua presa”? A língua presa compromete bastante a comunicação. Ao …


Você tem a “língua presa”? A língua presa compromete bastante a comunicação. Ao falar palavras que contenham o “r” e o “l” essa dificuldade fica mais evidente. Esse problema acontece devido a uma membrana que prende a língua à parte inferior da boca (assoalho). O nome dessa membrana é frênulo lingual, e quando ele não está posicionado no lugar correto (meio da língua) acarreta dificuldades. O frênulo lingual pode apresentar-se muito comprido ou muito curto. Essas condições levam a restrição dos movimentos da língua, trazendo prejuízos a fala, mastigação e deglutição. Em bebês, a alteração do frênulo lingual pode levar a dificuldades na sucção, comprometendo a amamentação. Para diagnosticar problemas no frênulo lingual, existe o TESTE DA LINGUINHA que deve ser realizado já na maternidade. A Se a avaliação do frênulo lingual não foi realizada na maternidade, pode ser feita numa consulta de rotina. A Pediatra Jacqueline Padovesi afirma que “Geralmente a criança mais velha com língua presa apresenta dificuldade de levantar a língua até os dentes superiores e colocá-la para fora da boca, além do problema de fala”. Procure um Fonoaudiólogo e faça uma avaliação. ✅Consultório:
Avenida Aquílio Bernardo Vieira, 3, São José. Bezerros/PE.
Contato: (81)9.87382100