Homem é atropelado pelo caminhão do Exército e fica em estado grave

Homem é atropelado pelo caminhão do Exército e fica em estado grave


Homem atravessava a Estrada Dias Martins, em Rio Branco, quando foi atingido pelo caminhão do 7º BEC e bateu a cabeça no canteiro central. Pedestre foi atropelado quando atravessava a Estrada Dias Martins, em Rio Branco
Lidson Almeida/Rede Amazônica Acre
Um pedestre, identificado como Algenir Guterres, foi atropelado por um caminhão do 7° Batalhão de Engenharia de Construção (7° BEC), na Estrada Dias Martins, em Rio Branco. A vítima atravessa a via, quando foi atingido pelo caminhão, nesta quinta-feira (1).
O 7º BEC afirmou que vai se posicionar sobre o acidente por meio de nota, ainda nesta quinta.
Atendimento
Uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) esteve no local e encaminhou a vítima em estado gravíssimo para o Hospital de Urgência e Emergência (Huerb).
Ao G1, o médico e coordenador do Samu, Pedro Pascal, explicou que o pedestre estava sem documentação, e usava apenas um cartão de ônibus no nome de Algenir Guterres. Ainda segundo Pascal, o pedestre aparenta ter entre 60 a 70 anos.
A via é a mesma onde ocorreu um acidente de trânsito, em maio, que vitimou Silvinha Pereira. A moto que Silvinha estava com o marido foi atingida pelo carro dirigido pelo PM Alan Martins.
Caminhão do 7º BEC permaneceu no local após acidente nesta quinta-feira (1)
Wilamis França/Arquivo pessoal
“É um paciente gravíssimo, teve sinais de hemorragia intracraniana, estava bem debilitado, teve que ser entubado e fazer umas medicações dentro da ambulância. Tem um risco grande”, reforçou.
Pascal acrescentou que a ambulância que fez o atendimento da vítima é de suporte avançado. A vítima bateu a cabeça no canteiro central da via. “Até nossa saída não apareceu ninguém lá”, ressaltou.
Perícia
O perito da Polícia Civil Haley Vilas Boas esteve no local para atender a ocorrência. Segundo ele, os laudos devem apontar como ocorreu o acidente. O perito acrescentou também que o local não tem faixa de pedestre e requer bastante atenção ao fazer a travessia.
“Temos ver a questão da intensidade do trânsito, a questão da visibilidade. Não temos faixa de pedestre próximo do local, então, temos que ter, tanto condutores de veículos como os pedestres que vão fazer a travessia, a cautela devida para que eventos dessa natureza não ocorra”, reforçou.
‘A gente nem pode fazer um velório decente’, diz parente de detento morto carbonizado em presídio de Altamira

‘A gente nem pode fazer um velório decente’, diz parente de detento morto carbonizado em presídio de Altamira



Até a noite desta quarta-feira (31), onze corpos haviam sido enterrados nos dois cemitérios municipais. Trinta e um corpos ainda não foram liberados pela perícia. Massacre em Altamira: Primeiros corpos de detentos começam a ser enterrados
“A gente não pode nem fazer um velório e um sepultamento dignos, em uma hora dessas tem que ser sepultado às pressas, isso é muito triste para as famílias”, disse Maria Célia Barth, cunhada de um dos detentos que teve o corpo carbonizado durante o massacre no presídio de Altamira, no sudoeste do Pará. A família do detento não teve como fazer o velório.
Até a noite desta quarta-feira (31), onze dos 27 corpos liberados pela perícia haviam sido enterrados nos dois cemitérios municipais. Em um deles, foram abertas 50 covas. A prefeitura precisou usar máquinas e trabalhadores para fazer a limpeza da área que fica no anexo do Cemitério São Sebastião.
O Instituto Médico Legal (IML) de Altamira concentra o trabalho de identificação dos mortos. Vinte e sete vítimas já foram reconhecidas pelas famílias e o trabalho de necropsia foi encerrado. Os demais 31 corpos só deverão ser identificados com exames de DNA. A coleta do material genético começa a partir das 8h desta quinta.
Veja a lista dos mortos; 58 morreram no presídio e 4 durante transferência, após o massacre.
O prédio esteve bastante movimentado neste segundo dia de trabalhos da perícia. Familiares passaram o dia aguardando do lado de fora pela liberação dos corpos para o sepultamento. “Eles não dão prova se está morto ou vivo, nos falaram que ele estava no hospital, depois que estava aqui, a gente fica nessa aflição”, disse Zileide Cardoso, familiar de uma das vítimas.
Equipes do município atenderam as famílias, ajudando a coletar informações dos detentos mortos. Os parentes também recebem o apoio de voluntários que doam comida, água e roupas.
Massacre no presídio
Um confronto entre facções criminosas dentro do presídio de Altamira causou a morte de 58 detentos. Na segunda-feira (29), líderes do Comando Classe A incendiaram cela onde estavam internos do Comando Vermelho. De acordo com a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), 41 morreram asfixiados e 16 foram decapitados. Na terça, mais um corpo foi encontrado carbonizado nos escombros do prédio.
Após as mortes, o governo do estado determinou a transferência imediata de dez presos para o regime federal. Outros 36 seriam redistribuídos pelos presídios paraenses.
Um relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) considera o presídio de Altamira como superlotado e em péssimas condições. No dia do massacre, havia 311 custodiados, mas a capacidade máxima é de 200 internos. Segundo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Pará, dos 311 presos, 145 ainda aguardavam julgamento.
Na madrugada de quarta-feira (31), quatro envolvidos na briga entre facções foram mortos durante o transporte para Belém. Com isso, o número de mortos no confronto chega a 62. Os corpos foram encontrados na manhã desta quarta (31) com sinais de sufocamento, conforme informou a Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe).
Massacre no presídio de Altamira
Arte/G1
Initial plugin text
Acre deve receber quase R$ 40 milhões e helicóptero do governo federal para reforçar Segurança

Acre deve receber quase R$ 40 milhões e helicóptero do governo federal para reforçar Segurança


Repasse deve ser feito por meio de equipamentos, fardas, munições e veículos. Segurança deve receber repasses em veículos, fardas e munições, entre outros
Lidson Almeida/Rede Amazônica Acre
A Segurança do Acre deve receber um repasse de quase R$ 40 milhões do governo federal. O valor deve ser repassado pelo Ministério da Justiça. Além desse valor, está a doação de um helicóptero que aguarda liberação judicial para ser enviado ao estado.
A informação foi confirmada pela porta-voz do governo, Mirla Miranda. De acordo com ela, esse valor vai ser dado através de equipamentos, fardas, munições e viaturas, que vão desde barcos a caminhonetes, e devem ser repassados nos próximos dias.
“As várias visitas do governador ao ministro Sérgio Moro visam exatamente isso, esse apoio definitivo para que a segurança no Acre seja ampliada. O governo vai colocar mais policiamento nas ruas, tornando essa polícia mais equipada e é esse o trabalho que está sendo feito”, disse Mirla.
O anúncio foi feito pelo ministro Sério Moro ao governador Gladson Cameli, durante encontro em Brasília, nesta segunda-feira (29). O governo ainda não tem uma data definida para a entrega dos equipamentos.
A porta-voz reforçou ainda que estes equipamentos devem contribuir para o trabalho feito na região de fronteira do estado.
“Nós somos um estado tripartite e essa dificuldade de ter a entrada de entorpecentes pelas nossas fronteiras também está sendo coordenada junto ao Ministério da Justiça para que a gente consiga coibir essa entrada”, conclui Mirla.

Choque entre carro e caminhão provoca congestionamento na Raposo Tavares

Duas pessoas tiveram ferimentos leves, mas recusaram atendimento em hospital. Um choque entre um carro e um caminhão provocou três quilômetros de congestionamento na Rodovia Raposo Tavares, em São Roque (SP), na manhã desta quarta-feira (31).
Segundo a concessionária responsável pela rodovia, o acidente aconteceu por volta das 7h no quilômetro 63,8 da pista sentido capital. Duas pessoas tiveram ferimentos leves, mas recusaram atendimento em hospital.
A faixa um da rodovia e o acesso do quilômetro 64 precisaram ser interditados para atendimento da ocorrência, mas foram liberados por volta das 9h30.
Não há mais registro de reflexo de lentidão na via. Não há informações sobre as causas do acidente.
Veja mais notícias da região no G1 Sorocaba e Jundiaí
Adolescente de 14 anos é assassinada a tiros na frente da irmã, na Grande Fortaleza

Adolescente de 14 anos é assassinada a tiros na frente da irmã, na Grande Fortaleza


Vítima vinha recebendo ameaças, mas não dizia para a família quais a motivações. Local onde aconteceu o crime
Rafaela Duarte/Sistema Verdes Mares
Uma adolescente de 14 anos foi assassinada a tiros quando caminhava na rua junto da irmã e de uma amiga na noite desta terça-feira (30), no Bairro Mestre Antônio, em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza.
Conforme a polícia, testemunhas informaram que dois homens chegaram e efetuaram os disparos apenas contra a adolescente. As outras duas não ficaram feridas.
Familiares informaram à polícia que a moça vinha recebendo ameaças, mas ela não dizia por qual motivação estava sendo ameaçada.
O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) irá seguir com as investigações do caso. Os suspeitos de cometer o crime estão sendo procurados.