MPE requer que Casai mantenha tratamento de criança indígena enterrada viva ao nascer em MT

MPE requer que Casai mantenha tratamento de criança indígena enterrada viva ao nascer em MT


Segundo promotor, menina não apresenta sequelas, mas precisa de acompanhamento em razão da situação de viveu. Mudança de endereço justifica solicitação de MPE. Analu Paluni Kamayura Trumai, atualmente com 1 ano e dois meses, no colo do pai.
Arquivo pessoal
Para conceder parecer favorável ao deferimento da guarda de Analu Paluni Kamayura Trumai ao pai biológico, o Ministério Público Estadual (MPE) solicitou que, havendo mudança de cidade, a Casa de Saúde Indígena (Casai) mantenha o acompanhamento médico que a criança faz em Brasília.
De acordo com o promotor de Justiça, Matheus Pavão de Oliveira, apesar de não apresentar sequelas decorrentes da tentativa de homicídio, Analu tem ido com frequência da Brasília por uma questão de cautela, tendo em vista a situação que viveu após o parto.
“Foi uma ressalva que fizemos para que a guarda fosse concedida ao pai”, declarou ele.
No dia 13 de junho, a Justiça de Mato Grosso concedeu ao pai biológico, o direito de ficar com a menina. Entretanto, ele vive em uma comunidade indígena distante de Canarana, onde a criança estava abrigada.
A mudança de endereço de Analu justificaria o pedido feito à Casai.
Ainda segundo o promotor, um estudo psicossocial foi realizado para definir quem teria condições de ficar com a menina. A análise comprovou que o pai teria condições de cuidar da criança sem que houvesse prejuízos.
Bebê na época em que foi resgata em MT
Polícia Civil – MT
O fato
Há pouco mais de um ano, Analu foi enterrada viva no quintal da casa onde a família morava. A avó e a bisavó não aceitavam a gravidez da mãe da criança, uma adolescente de 15 anos.
À época, a recém-nascido foi colocada em um buraco com pouco mais de 50 centímetros, onde permaneceu por cerca de 6 horas.
Por meio de uma denúncia anônima, a polícia foi até o local e conseguiu resgatar o bebê com vida.
Atualmente, a bisavó cumpre prisão preventiva em uma unidade da Fundação Nacional do Índio (Funai) e avó está em liberdade após a concessão de um habeas corpus pela Justiça estadual.

Relatório final de inquérito de acusação de estupro contra Neymar fala em ‘incongruências’

Fantástico teve acesso, com exclusividade, ao documento, que tem 17 páginas. O caso foi encerrado com o jogador sendo inocentado das acusações feitas por Nájila Trindade. Relatório final de inquérito de acusação de estupro contra Neymar fala em ‘incongruências’
Esta semana foi encerrada a investigação do caso entre Neymar e Nájila Trindade, a mulher que acusou o jogador de estupro.
O Fantástico teve acesso, com exclusividade, ao relatório final da polícia, que tem 17 páginas e nem chegou a indiciar o Neymar. E mostra também novos trechos das conversas entre o jogador e Nájila.
No documento, a delegada escreveu: “diante dos elementos colhidos no curso da investigação policial, não vislumbro elementos para o indiciamento do investigado, uma vez que as versões são conflitantes, com incongruências nas declarações da vítima e, principalmente, nas provas apresentadas pela mesma”.

Índices de violência estão crescendo em cidades médias e pequenas do país, diz estudo

Altamira, no Pará, onde 62 presos foram mortos em massacre em presídio esta semana, é o segundo município mais violento do país. Índices de violência estão crescendo em cidades médias e pequenas do país, diz estudo
Esta semana o Brasil ficou horrorizado com o massacre de 62 presos no Pará. O episódio foi na cidade de Altamira, segunda cidade mais violenta do país, de acordo com estudo a que o Fantástico teve acesso exclusivo. A pesquisa também mostra que os índices de violência no Brasil estão crescendo, especialmente em cidades médias e pequenas.
Altamira só está atrás de Maracanaú, no Ceará, município mais violento do país. Essa informação está no “Atlas da Violência 2019”, que será lançado esta semana e analisa dados de 2015 a 2017. A pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o Ipea, e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública segue o padrão internacional.
Segundo o estudo, metade dos homicídios é cometida em 2% dos municípios – onde vivem 40% dos brasileiros. E dos 20 municípios mais violentos dessa lista, quatro ficam no Pará: Altamira, Marituba, Marabá e Ananindeua.
Mato Grosso do Sul tem o melhor índice de resolução de homicídios. O Pará tem o pior: só 10% dos casos.
O aumento da violência em cidades pequenas e médias fez o índice nacional crescer nos últimos 20 anos, apesar da queda nas cidades grandes. De 1997 a 2017, a alta foi de 113% nos municípios com até 100 mil habitantes, e de 12,5% nos municípios entre 100 mil e 500 mil habitantes. Já nas cidades acima de 500 mil habitantes, houve queda de 4,5%. Usando dados do IBGE, os pesquisadores estudaram também a relação entre violência e desenvolvimento humano.
Nas cidades onde há mais homicídios, as pessoas ganham menos, as moradias são precárias e a proporção de jovens, entre 15 e 24 anos, que estão sem estudar e sem trabalhar, é quatro vezes maior que nos municípios menos violentos do Brasil.
Idosa é encontrada morta na cozinha de casa, em Ipameri

Idosa é encontrada morta na cozinha de casa, em Ipameri


Polícia Civil investiga o caso, ainda sem suspeitas do que pode ter acontecido. Filho da vítima encontrou-a sem roupas da cintura para baixo e não deu falta de objeto de valor ou dinheiro. Casa onde idosa foi encontrada morta
Cleiton de Paula/TV Anhanguera
Uma idosa de 62 anos foi encontrada morta na cozinha de casa, em Ipameri, no sudeste de Goiás. O filho da vítima foi quem encontrou o corpo da mãe em casa e chamou os policiais. Segundo ele, ela estava sem roupas da cintura para baixo.
O delegado Vitor Oliveira era o plantonista na noite de sábado (3), quando o corpo foi achado. De acordo com ele, ainda não é possível dizer se houve estupro ou roubo, mas que o local foi periciado, assim como o corpo da idosa, e os laudos devem responder a essas perguntas.
“O filho da senhora, por volta de 18h, teria ido à casa da mãe. Como ela não abria a porta, ele deu um jeito de entrar e encontrou ela caída morta. Ele chamou os bombeiros, que constataram o óbito e viram que, pela forma como o corpo estava, já tinha algum tempo que ela havia morrido – sem ser possível precisar quanto”, detalhou.
Ainda de acordo com o delegado, o caso deve ser investigado pela Delegacia de Ipameri. O Instituto Médico Legal (IML) e a Polícia Técnico-Científica devem elaborar laudos que vão ajudar a esclarecer o que aconteceu com ela.
A família disse que o velório e o enterro da idosa estão agendados para o início da noite deste domingo (4).
Veja outras notícias da região no G1 Goiás.
Litoral potiguar tem alerta de ventos fortes e ondas de até 4 metros

Litoral potiguar tem alerta de ventos fortes e ondas de até 4 metros


Alerta emitido pelo Centro de Hidrografia e pela Capitania dos Portos, da Marinha, vale da noite deste domingo (4) até a manhã de quarta-feira (7). Ondas altas são esperadas para o litoral do RN
Eros Sena
O Centro de Hidrografia da Marinha emitiu alerta para ventos de até 60 quilômetros por hora e ondas de até 4 metros de altura no litoral potiguar, entre a noite deste domingo (4) e a manhã da quarta-feira (7). O motivo é um sistema de alta pressão sobre o oceano Atlântico, que pode provocar ventos de direção Sudeste a Leste.
A previsão é de os ventos de intensidade de até 60 km/h (33 nós) ocorram entre os estados de Alagoas e do Rio Grande do Norte, ao sul de Natal. O mesmo sistema também poderá provocar ondas, em alto-mar, de direção Sudeste a Leste entre 3 e 4 metros nas proximidades da Bahia até a costa potiguar, segundo a Marinha.
Também há “condições favoráveis” à ocorrência de ressaca com ondas de direção Sudeste até 2,5 metros entre Salvador (BA) e Touros (RN), entre o dia 5 pela manhã e o dia 7, também pela manhã.
A Capitania dos Portos recomendou que, ao longo desse período, as embarcações de pequeno porte “evitem a navegação” e que as demais embarcações redobrem a atenção quanto ao material de salvatagem, estado geral dos motores, casco, bomba de esgoto do porão, equipamentos de rádio e demais itens de segurança.
Groenlândia tem derretimento recorde de gelo para este ano, afirmam cientistas

Groenlândia tem derretimento recorde de gelo para este ano, afirmam cientistas


Atingida pela onda de calor que passou pela Europa, a ilha perdeu 10 bilhões de toneladas de gelo somente na última quarta-feira (31). Em todo o mês de julho, a ilha perdeu 197 bilhões de toneladas de gelo. Na imagem, do dia 1º de agosto, rios de água derretendo se formam na camada de gelo no oeste da Groenlândia. A onda de calor que atingiu a Europa na semana passada está agora sobre a Groenlândia.
Caspar Haarløv, Into the Ice via AP
A Groenlândia perdeu mais de 10 bilhões de toneladas de gelo para os oceanos somente na última quarta-feira (31), informou neste sábado (3) a agência de notícias Associated Press. Em todo o mês de julho, a ilha perdeu 197 bilhões de toneladas de gelo.
Para entender o quanto de gelo está sendo perdido, um bilhão de toneladas equivale a cerca de 400 mil piscinas olímpicas, informou o Instituto Meteorológico da Dinamarca. E 100 bilhões de toneladas correspondem a um aumento de 0,28 mm no nível do mar global.
A área da camada de gelo da Groenlândia que mostra sinais de derretimento cresce todos os dias e atingiu um recorde de 56,5% para este ano na última quarta-feira (31), disse Ruth Mottram, cientista climática do Instituto Meteorológico da Dinamarca.
Na imagem, do dia 1º de agosto, rios de água derretendo se formam na camada de gelo no oeste da Groenlândia. A onda de calor que atingiu a Europa na semana passada está agora sobre a Groenlândia.
Caspar Haarløv, Into the Ice via AP
A área de derretimento é a segunda maior em termos de área de gelo afetada, depois de 90% em 2012, afirmou Mark Serreze, diretor do Centro de Dados de Neve e Gelo em Boulder, Colorado, que monitora as coberturas de gelo globalmente . Os registros remontam a 1981.
A Groenlândia, a maior ilha do mundo, é um território dinamarquês semiautônomo que fica entre os oceanos Atlântico e Ártico, com 82% de sua superfície coberta de gelo.
A onda de calor que quebrou recordes de alta temperatura em cinco países europeus na semana passada está agora sobre a ilha – o que acelera o derretimento da camada de gelo ali e também causa uma enorme perda de gelo no Ártico.
Na imagem, do dia 1º de agosto, rios de água derretendo se formam na camada de gelo no oeste da Groenlândia. A onda de calor que atingiu a Europa na semana passada está agora sobre a Groenlândia.
Caspar Haarløv, Into the Ice via AP
Segundo Ruth Mottram, a perda registrada nesta semana provavelmente atingiu o ápice na quinta-feira (1º), mas a previsão a longo prazo é de tempo quente e ensolarado para a Groenlândia – o que fará a perda de gelo continuar mesmo se as temperaturas não forem tão altas.
“Nos últimos dois dias, você conseguia ver a onda quente passando pela Groenlândia”, disse a cientista, em entrevista na última quinta-feira (1º). “Aquele pico de ar quente passou pelo cume da camada de gelo, mas os céus claros são quase tão importantes, ou talvez até mais importantes, para o derretimento total da camada de gelo.”
A cientista disse que, desde 1º de junho – aproximadamente o início da temporada de perda de gelo, que vai até o final de agosto – a camada de gelo da Groenlândia perdeu 240 gigatoneladas (240 bilhões de toneladas) este ano. Isso se compara a 290 gigatoneladas perdidas na temporada de 2012.
Na imagem, do dia 1º de agosto, rios de água derretendo se formam na camada de gelo no oeste da Groenlândia. A onda de calor que atingiu a Europa na semana passada está agora sobre a Groenlândia.
Caspar Haarløv, Into the Ice via AP
Um estudo realizado em junho de 2019 por cientistas nos EUA e Dinamarca constatou que o derretimento do gelo na Groenlândia adicionará entre 5 e 33 centímetros ao nível do mar global até o ano de 2100. Se todo o gelo da Groenlândia derretesse – o que levaria séculos – os oceanos do mundo subiriam 7,2 metros, segundo o estudo.
Múltiplos fatores
Muito do que derrete pode voltar a congelar, mas neste ano pode ser diferente. Os cientistas observaram uma longa acumulação de fatores até o derretimento de gelo deste verão europeu, incluindo temperaturas gerais mais altas por meses e um inverno muito seco, com pouca neve, em muitos lugares – que normalmente ofereceria alguma proteção ao gelo glacial.
Por causa desses fatores, a quantidade de gelo perdida neste ano pode ser a mesma de 2012 ou mais, segundo os cientistas.
Na foto, de 13 de junho, pequenos pedaços de gelo boiam na água em Nuuk, na Groenlândia.
Sandy Virgo/AP
“Este é certamente um evento climático sobreposto a esta tendência geral de condições mais quentes” que têm derretido cada vez mais o gelo da Groenlândia a longo prazo, disse Mark Serreze.
Para agravar o derretimento, a camada de gelo da Groenlândia começou mais baixa neste ano por causa do baixo acúmulo de gelo e neve, disse a cientista do Centro de Dados de Neve e Gelo Twila Moon.
Com a mudança climática provocada pelo homem, “há um potencial para que esses tipos de índices se tornem mais comuns daqui a 50 anos”, disse Moon.
Na foto, de 20 de junho, pedaços de gelo boiam na água perto da montanha de Sadelo, em Nuuk, na Groenlândia.
Keith Virgo/AP
Ondas de calor sempre ocorreram, mas Mike Sparrow, porta-voz da Organização Meteorológica Mundial, ligada à ONU, observou que, à medida que as temperaturas globais aumentam, ondas de calor extremas estão ocorrendo pelo menos dez vezes mais do que um século atrás. Este ano, o mundo viu o mês de junho mais quente de todos os tempos.
“Esse tipo de onda de calor é um fenômeno climático e pode ocorrer naturalmente, mas estudos vêm mostrando que tanto a frequência como a intensidade dessas ondas de calor aumentaram devido ao aquecimento global”, disse Sparrow, em entrevista à Associated Press.
Ele observou que o gelo do mar espalhado no Ártico e na Antártida estão atualmente em baixas recordes.
“Quando as pessoas falam sobre a temperatura média global aumentando em pouco mais de 1ºC, isso não é uma quantia enorme para perceber se você está sentado em Hamburgo ou Londres, mas isso é uma média global – e é muito maior nas regiões polares”, disse Sparrow.
Incêndios
A foto, de 29 de julho, mostra o incêndio na floresta na região de Krasnoyarsk, no leste da Rússia. O fogo já atingiu 30 mil quilômetros quadrados na Sibéria e no leste russo.
Russian Federal Agency of Forestry via AP
A Groenlândia também tem lutado contra uma enorme quantidade de incêndios florestais no Ártico, algo que Mottram afirmou ser incomum no passado.
Os incêndios também têm causado problemas na Rússia. Provocados pelo tempo quente e seco e pela propagação de ventos fortes, já atingem quase 30 mil km² de território na Sibéria e no extremo oriente do país – uma área do tamanho da Bélgica.
A fumaça desses incêndios, alguns deles no território do Ártico, é tão pesada que pode ser vista facilmente em fotos de satélite, e está causando problemas de qualidade do ar – incluindo na terceira maior cidade da Rússia, Novosibirsk. Os moradores querem que o governo faça mais para combater as chamas.