Chuva alaga trechos do centro de Bezerros

Chuva alaga trechos do centro de Bezerros


A chuva que cai na manhã desta segunda-feira (18) deixou trechos de ruas alagadas em Bezerros. Ela teve início nas primeiras horas da manhã e segue até o momento desta matéria. Após circular por diversas ruas, o repórter Sérgio Leão registrou a água que tomou conta das partes baixas da cidade, porém sem grandes transtornos.

Comerciantes estão de alerta para evitar que a água entre nos estabalecimentos. Já alguns feirantes desistiram de colocar os bancos por causa do excesso de água nas ruas. De acordo com a Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC), a previsão de chuva fraca a moderada durante todo o dia em várias regiões do estado.



Fonte: Bezerros Agora .

O Sabadão – A nação mais pecadora dorme na quimera e acorda no pecado

O Sabadão – A nação mais pecadora dorme na quimera e acorda no pecado


Por Sérgio Leão

Passada a quimera carnavalesca, período danoso para Deus, no qual exercemos o esquecimento proposital de tudo que está acontecendo no Brasil, acordamos obrigados, para a tenebrosa realidade nacional, que nos remete e nos aproxima em passos de avestruzes, de uma hecatombe irreversível, até porque somos um povo que se desculpa das merdas que vivemos fazendo , atribuindo a memória curta, o que não é verdade; nós somos cúmplices de tudo que não presta que está acontecendo neste chão enlameado por corruptos e fanáticos mendigos, analfabetos e diplomados: um antro de seletiva podridão brasileira. As fantasias de papangus, pierrôs, colombinas e até de satanás, não servem mais, nossos risos bêbados se foram e agora nos restam as lágrimas de crocodilos, borrando nossas bochechas inchadas pela cachaça no carnaval.

E agora? O que fazer? Nada, absolutamente nada, pois diante dos nossos devaneios, só a Deus poderíamos suplicar, mas isto se o nosso arrependimento fosse verdadeiro, o que não é, pelo menos para a grande maioria. Repito, quantas vezes forem necessário, que a Deus ninguém engana e o tempo é rápido para quem acha ser perdoável a qualquer instante. As nações mais pecadoras sempre sentiram o peso da mão de Deus, conforme está escrito no livro sagrado e como já ocorreu em Sodoma e Gomorra , cidades que não cometiam nem a metade dos pecados que se comete hoje no Brasil, um país onde se grita em viva voz: Jesus é bichaaaa. Afora isso, ainda nos deparamos com folguedos carnavalescos, onde Jesus é surrado por satanás e seus capachos, aplaudido por claque de psicopatas aplaude, enquanto jurados enxofrados dão notas positivas em envelopes fechados. Mas não ficamos só nisso; que tal lembrar das mulheres se masturbando com crucifixos e travestis mijando nas imagens sacras, para depois quebra-las com sarcasmos?

Nas manifestações LGBT da Avenida Paulista, não é incomum, encontrarmos milhares de pessoas gritando palavras de ordem contra Deus e até personagens supostamente crucificados em situações da mais alta blasfêmia. Já houve até oportunidade em que uma dupla interpretou Jesus com a coroa de espinhos aos beijos com belzebu, o rei das trevas. Então caros leitores e leitoras? Dá pra achar isso é normal? Será que estamos tão cegos, a ponto de não nos colocarmos em xeque, diante de tantas perversões praticadas em nosso país? É sim, o Brasil, neste momento, a nação mais pecadora, e assim o maligno vagueia por todos os lugares e por todas as cidades brasileiras, causando aos inocentes os mesmos dissabores dos pecadores, e assim vai se ratificando as previsões do nosso Rui Barbosa de que irámos colher os frutos mais podres da terra, um dia!



Fonte: Bezerros Agora .

Em fase de testes, Tacaimbó começa a receber água do São Francisco

Em fase de testes, Tacaimbó começa a receber água do São Francisco


A chegada das águas do Rio São Francisco em Tacaimbó, na região Agreste, tem um duplo significado para os moradores da cidade: mais água nas torneiras e o fim da ameaça do colapso no abastecimento. O Governo do Estado, por meio da Companhia Pernambucana de Saneamento – Compesa,  iniciou, ontem (13), a distribuição de água em fase de testes para a cidade, a partir do sistema integrado Adutora do Agreste-Moxotó, que está antecipando o uso da água da Transposição do Rio São Francisco mesmo sem a finalização da obra do Ramal do Agreste – em execução pelo  governo federal.

Tacaimbó é a sexta cidade beneficiada pelo novo sistema. Outros quatro  municípios ainda serão contempladas, alcançando uma população de 400 mil pessoas. Em Tacaimbó, os bairros do Centro e a Rua Velha são as primeiras localidades atendidas e a previsão é, dentro de 20 dias, abastecer todos os bairros da cidade com água da Transposição. Porém, a Compesa adianta que o calendário de distribuição não será alterado de imediato em virtude da situação dos dois mananciais que atendem a cidade, a Barragem do Bitury e a Barragem Tabocas-Piaca , ambas  localizadas na cidade de Belo Jardim.

Desde o colapso da barragem do Bitury, há quatro meses, o Sistema Adutor Tabocas-Piaca  passou a responder integralmente pelo abastecimento de Tacaimbó. No entanto, a Barragem de Tabocas está em pré-colapso e não suportaria mais um mês de abastecimento se as chuvas não chegarem. “Em abril, a cidade entraria em colapso se não fosse as águas do Velho Chico.  O governador Paulo Câmara conseguiu agilizar os recursos para a obra e os técnicos da Compesa deram celeridade às ações para  garantir a segurança hídrica para Tacaimbó”,  ressaltou o presidente da Compesa, Roberto Tavares. Ele adiantou que, com a expectativa de recuperação  dos dois mananciais neste inverno, a Compesa terá condições de melhorar o abastecimento da cidade, ofertando mais água para a população.

O abastecimento de Tacaimbó com as águas do Rio São Francisco só foi possível graças a Adutora do Moxotó, um investimento R$ 85 milhões, que se integrou às tubulações já assentadas da Adutora do Agreste.  Apenas nesta semana, além de Tacaimbó, as cidades de Sanharó e São Bento do Una passaram a ser atendidas pelo sistema, ainda em fase de testes. Arcoverde, Pesqueira e Belo Jardim também já estão sendo abastecidas com águas da Transposição do Rio São Francisco. Alagoinha, Pedra, Venturosa e São Caetano são as próximas cidades a serem atendidas pelo Sistema da Adutora do Agreste-Moxotó



Fonte: Bezerros Agora .

Servidores da Prefeitura de Bezerros passarão a receber pelo Santander

Servidores da Prefeitura de Bezerros passarão a receber pelo Santander


Nos próximos dias os servidores da Prefeitura de Bezerros passarão a receber o salário pelo Banco Santander. Após processo licitatório, o banco comprou a folha da Prefeitura e terá que ofertar o serviço.

Em uma reunião, a equipe do Santander explicou que estará promovendo um cadastro com os servidores para a assinatura das contas, que segundo eles, já estão abertas, faltando apenas as formalizações para recebimento dos cartões, cadastro em aplicativos e outros. Ainda segundo o banco, haverá um incremento de pessoal e de insfraestrutura como caixas eletrônicos para atender a demanda.

Um cronograma com data, local e horário para comparecimento dos servidores para cadastro será divulgado em breve. Ao todo, mais de 2 mil pessoas serão atendidas pela agência.



Fonte: Bezerros Agora .

Falta de chuvas altera calendário de abastecimento de municípios do Agreste

Falta de chuvas altera calendário de abastecimento de municípios do Agreste


A falta de chuvas no início do ano alterou o calendário de abastecimento de algumas cidades atendidas pela Barragem de Jucazinho, localizada em Surubim, no Agreste de Pernambuco. O manancial está atualmente com apenas 2,78% da capacidade, o que corresponde a pouco mais de 9 milhões de metros cúbicos de água, do total de 327 milhões de metros cúbicos.

Os municípios de Passira, Cumaru e Riacho das Almas passaram a ter um regime de distribuição de oito dias com água e 22 dias sem. Já nas cidades de Surubim, Casinhas, Salgadinho, Santa Maria do Cambucá, Frei Miguelinho, Vertentes, Vertente do Lério e Toritama, o rodízio de abastecimento é de 11 dias com água e 19 dias sem.

De acordo com a Companhia Pernambucana de Saúde (Compesa), os técnicos estão monitorando o volume da Barragem de Jucazinho e realizando cálculos para a retirada do volume de água com o objetivo de não deixar as cidades sem atendimento pela rede de distribuição. A expectativa é preservar o atendimento às 11 cidades até o período de inverno. O período de chuvas na região ocorre entre os meses de abril e julho.

NE10



Fonte: Bezerros Agora .