[ad_1]

rvzTantas e tantas vezes sofremos pelas pedras que nos atiraram, pelas costas que nos viraram, pelos julgamentos injustos que nos fizeram, pela ingratidão daqueles que considerávamos, pela oportunidade que nos negaram, por nossos esforços que não reconheceram, pelas pessoas que não ficaram, e por aqueles que nos magoaram. E tantas vezes diante desses sofrimentos a gente se culpa, nos responsabilizando por termos nos enganado, por termos sido ‘imaturos” ao esperar tanto dos outros, e até nos julgamos “tolos” ou “infantis” por acreditarmos tanto em pessoas que nos decepcionaram, nos enganaram, ou nos feriram. Mas embora essas circunstâncias nos perfure o coração, devemos superá-las, sabendo que mesmo assim, elas podem voltar a acontecer, e que perante essas dores a gente precisa crescer. Todavia, “crescer” não é apenas “mudar de tamanho”, ou “envelhecer com a passagem dos anos”, “crescer” é agigantar-se nas terras da maturidade racional, aprendendo a caminhar sem perder o “entusiasmo da emoção”, e sem esquecer a “sabedoria da razão”. Portanto, crescer é simplesmente “amadurecer” caindo e levantando, sangrando e cicatrizando, ao aprendermos a dar nossos passos sozinhos, vivenciando todos os “prós e contras” do caminho, esperando mais de “nós” e menos dos outros. E apesar dos “desacertos e desilusões”, crescer é aprender a compreender e a conviver com o mundo, com os seres humanos e suas diferenças, e não deixarmos de nos doar, e nem perdermos o instinto de continuar acreditando na essência benévola das pessoas.
A palavra para hoje é DISCERNIMENTO.

Enviado por:Redator

[ad_2]

Fonte: Bezerros Hoje / Clique aqui e veja essa e outras notícias.

%d blogueiros gostam disto: