Imprensa estadual destaca Ciel Santos

Imprensa estadual destaca Ciel Santos

[ad_1]

Quando ainda morava em Bezerros, Ciel realizou um show que serviu como termômetro para decidir se investiria ou não na carreira musical. “Aluguei o único clube da cidade e lotou. O dono do Manhattan Café Theatro, que fica no Recife, estava presente e me chamou para trabalhar lá”, recorda. O período na casa de shows da Zona Sul durou sete anos, ao mesmo tempo em que ele tinha aulas no Conservatório de Música. Em 2017, realizou o primeiro espetáculo do projeto Enraizado, no Espaço O Poste. A demanda para a gravação do álbum veio do próprio público naquela noite.
Disponível nas plataformas digitais, o disco é composto pelas canções autorais do show, duas delas feitas em parceria com Maurício César, que assina a direção musical. “Desde o começo, eu disse que queria apostar na cultura popular. Colocar coco, fechar os olhos e me sentir em uma roda. Colocar afoxé, ouvir e me sentir em um terreiro. A música que abre o disco se chama Licença, pois todos os brincantes da cultura popular pedem licença quando começam uma apresentação”.

O trabalho visual, com direção de Jota Gomes e fotos de Diego Cruz, traz o artista em uma estética que negocia o renascentismo com o Sertão, como uma nobreza sertaneja. Na capa, Ciel divide espaço com seus pais, irmãos e sobrinho. É, de fato, uma exaltação às raízes, menos no que diz às tradições conservadoras do interior. Continue lendo no Diário de Pernambuco

Arte, cultura popular e liberdade. Esses são os motes do espetáculo “Enraizado”, do cantor, ator, bailarino e compositor Ciel Santos, natural da zona rural de Bezerros, num vilarejo chamado Sacapurana, no Agreste Pernambucano. 

A noite do sábado (11) celebra o lançamento do seu primeiro disco, na Caixa Cultural do Recife. O álbum, gravado de forma independente, traz no repertório canções compostas para o espetáculo de mesmo nome, apresentado em agosto de 2017. Os ingressos custam a partir de R$ 15 e estão à venda na bilheteria da Caixa Cultural.

Dividido em dois atos com canções e textos autorais, Ciel traz a liberdade de ser e fazer o que quiser em todo o discurso do disco, e sempre ressaltando de onde veio. “‘Enraizado’ fala sobre as minhas raízes, dizendo que a árvore que eu sou hoje em dia tem muito a ver com o que eu aprendi quando era uma semente”, enfatiza Ciel. 

Continue lendo na Folha de Pernambuco

Share

[ad_2]
Fonte: Bezerros Hoje

BLOQUEIO DO FPM: Bezerros entre os 14 municípios de Pernambuco que não enviaram dados do SIOPS

BLOQUEIO DO FPM: Bezerros entre os 14 municípios de Pernambuco que não enviaram dados do SIOPS

[ad_1]

Com o fim do prazo de alimentação do Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS), municípios que não enviaram os dados sofrerão penalidade de suspensão das transferências constitucionais do Fundo de Participação dos Municípios – FPM.  Até o momento, 285 municípios no país, incluindo Bezerros,terão suspensos os respectivos repasses do FPM. Essa suspensão diz respeito aos dados do 6º bimestre de 2018 do SIOPS.
A suspensão ocorrerá no repasse do 1º Decêndio de maio – 10 de maio de 2019, e pode ser revertida após 72 horas do ato da homologação do SIOPS.

Share

[ad_2]
Fonte: Bezerros Hoje

Atleta bezerrense fará teste no Náutico

Atleta bezerrense fará teste no Náutico

[ad_1]

O jovem atleta Jhonatan Cunha zagueiro de 1,93m de altura terá a oportunidade de mostrar seu potencial no futebol do Clube Náutico Capibaribe, segundo informou a postagem nas redes sociais do vereador Gabeira. Ele é o primeiro que vai poder mostrar o seu futebol no clube, podendo, quem sabe, seguir carreira no esporte. O rapaz reside no bairro Cruzeiro. O clube está preparando um peneirão no município com objetivo de encontrar talentos.

Encontro produtivo com o Presidente do Náutico Edno R. Melo que definirá o futuro de muitos dos jovens bezerrenses que se destacam no futebol. O primeiro deles é o jovem Jhonatan Cunha zagueiro de 1,93m de altura que terá a oportunidade de mostrar seu potencial.

Gabeira

Share

[ad_2]
Fonte: Bezerros Hoje

“O cenário que se desenha é de desmonte de tudo que conquistamos a custo de muito sangue”

“O cenário que se desenha é de desmonte de tudo que conquistamos a custo de muito sangue”

[ad_1]

Esta semana tive o enorme prazer de participar da 275ª REUNIÃO ORDINÁRIA do CNAS – Conselho Nacional de Assistência Social. O cenário que se desenha é de desmonte de tudo que conquistamos a custo de muito sangue. A luta não é mais por garantir novos direitos, mas de manter os que conquistamos
As instâncias de controle social como as conferências, fóruns e em especial os conselhos de direitos, ainda são espaços que nos proporcionam democraticamente direito à voz, mas já existe a tentativa de extinguir esses espaços. É Fragilizar pra governar, isso já ficou claro.
Não temos tempo a perder, nossa luta é por um espaço que foi garantido desde a Constituição Federal de 1988 e que prevê entre os direitos fundamentais, a participação e controle social para o exercício pleno da cidadania.
É preciso reconhecermos nossas falhas, nossas fragilidades, deixar o ego de lado, a vaidade e aproveitarmos o pouco espaço de tempo que temos para discutirmos democraticamente a questões que nos são apresentadas e que como via de consequência negligencia ou garante alguns direitos.
Prezarmos pela transparência, na fala e na prática em respeito a todos e todas que se deslocam para este espaço chamado conselho. Quantas vezes pedimos o diálogo na tentativa de articular algo, e navegamos por águas turbulentas que não sabemos onde vai dá, a preocupação é a mesma de sempre: vamos convencer alguém? Como vamos conseguir vencer tal pauta? Ter tal conquista, ter garantido um direito que é do povo, e para todo esse processo nós emprestamos nosso conhecimento e não somos reconhecidos.
Não somos pessoas que oneram. Quando me disponho a participar eu estou deixando minha base, pra fazer um trabalho de extrema relevância, nada de nós pode ser discutido sem nós, sem nossa participação, nenhuma política pública poderá ser, verdadeiramente, pública se não contar com as pessoas.
“Quanto maior a participação social, mais qualificada e próxima dos anseios da população será a atuação do governo para a construção de um desenvolvimento economicamente inclusivo, socialmente justo e ambientalmente sustentável e de uma sociedade livre e pacífica”.
Faço dessa experiência um aprendizado, e do aprendizado força para dar continuidade a luta, seja qual for sua representatividade faça jus dignamente do espaço que você ocupa e que lhe foi confiado.
Democracia é dar a cada um e a cada uma de nós o direito de sermos sujeitos das nossas próprias vidas.

Michelle Silvestre – conselheira Municipal do CMAS – Bezerros, representante da Sociedade Civil através CRESS/PE na categoria de Trabalhadores do SUAS.

Share

[ad_2]
Fonte: Bezerros Hoje